quarta-feira, 20 de julho de 2016

Alexandre Kalache: ‘Gerontolescência’


por Lina Menezes


Estreio este espaço de reflexão sobre envelhecer com um grande cidadão, humanista, especialista no estudo do envelhecimento. Ele é um cidadão do mundo… ora no Rio de Janeiro, ora em Dubai, noutras em Nova Iorque… sempre palestrando e discorrendo sobre a causa – como ele próprio nomina – da gerontolescência! Um prazer tê-lo conhecido! Um parceiro nesta trajetória, um amigo que admiro.


AlexandreKalacheAlexandre Kalache trabalhou por anos na Organização Mundial da Saúde ajudando a criar políticas para um envelhecimento ativo e saudável. Fundou a Unidade de Epidemiologia do Envelhecimento da Universidade de Londres. Lançou o marco político do envelhecimento ativo e o Movimento Global das Cidades Amigas dos Idosos. E hoje preside o Centro Internacional de Longevidade.


 


FMB: O que te levou a trabalhar com o universo do envelhecimento?


KALACHE

De certa forma foi muito por acaso. Eu saí do Brasil em 1975 para fazer meu mestrado em saúde pública na universidade de Londres. E eu estava trabalhando na época no Brasil num projeto de educação médica. Estava muito interessado na formação. E no Brasil eu achava que estava tudo errado porque a gente estava treinando médico para trabalhar em instituições hospitalares enquanto que, na verdade, a comunidade ficava descoberta.


Quando cheguei na Inglaterra eu vi uma nota de rodapé num artigo no Lancet… por acaso… meu olho bateu naquilo e mudou a minha vida! Que dizia que 83% dos médicos, na Inglaterra, que trabalhavam em  geriatra eram, na verdade, a imensa maioria, do sul da Ásia, médicos paquistaneses, da Índia, Bangladesh, enfim, médicos das ex-colônias que migravam para a Inglaterra e enfrentavam dificuldade em fazer carreira em outras especialidades e acabavam indo para a geriatria porque era deixada de lado pelos médicos formados na Inglaterra. Ou seja, uma especialidade de segunda classe.


Eu então resolvi que minha tese, no 2o ano de mestrado, seria uma pesquisa. Eu resolvi entender melhor os fatores determinantes da escolha da geriatria como especialidade. Averiguei isso com a Sociedade Britânica de Geriatria, que tinha cerca de 450 membros, via questionários. Pois não havia internet. Eu tive uma resposta muito boa, acima de 90%. Entre as perguntas eu queria saber o que ajudou na decisão pela geriatra, mas também se estava satisfeito com a área de atuação do trabalho.


E o grupo todo foi dividido em duas metades: uma metade que tinha ido para a geriatra e estava satisfeita com o trabalho; e a outra metade que tinha ido para a geriatria por razões econômicas pois precisava ganhar dinheiro rápido, precisava ascender ao topo da pirâmide hierárquica dos médicos dentro do hospital, e esses não necessariamente estavam satisfeitos. Ou seja, você tinha um grupo que estava bem e outro grupo, não.


E a única pergunta que diferenciava um grupo de outro era ter tido contato íntimo com idosos na família. De preferencia terem morado com idosos, em geral, os avós. Isso mais tarde que iria diferenciar quem era geriatra e estava feliz do que não estava e que trocaria de especialidade se tivesse oportunidade.


Depois fui fazer outra pesquisa, ainda para o mestrado, que era sobre a atitude do estudante de medicina, numa das escolas médicas em que pela primeira vez tinha inserido geriatria no currículo. Eram pequenos grupos de 8 estudantes que passavam um mês na enfermaria de geriatria. Pude mensurar a atitude deles frente ao idoso, a doenças crônicas, à morte… antes deles entrarem na enfermaria e dois meses depois de terem saído. De tal forma que eles não se lembrassem das respostas que tinham dado na primeira entrevista.


E em todos os grupos as atitudes eram melhores antes de passar pela geriatria, do que depois. Ou seja, expor estes estudantes à geriatria era contra-produtivo.


Pensei – deveria existir um departamento de envelhecimento saudável? Porque se fala de saúde do idoso as pessoas vão se afastar, se você fala envelhecimento saudável, envelhecimento ativo, a reação era outra.


 


Sou da geração baby boomer


Isso tudo me fez, ao voltar ao Brasil, querer continuar a trabalhar com isso. Porque sou um exemplo do envelhecer. Nessa faixa dos 50 aos 65 anos, nós somos os *baby boomers que estamos envelhecendo. No passado nós já inovamos. Nós somos uma geração muito grande, com mais saúde do que qualquer outra geração anterior, que já se beneficiou das vacinas, de cirurgias mais modernas, mais bem nutrido, com melhor nível profissional.


E a gente criou a adolescência que não existia. Até a segunda guerra mundial saíamos abruptamente da infância para a idade adulta. Aos 12, 14 anos, você ia trabalhar. E de repente consolidamos a adolescência, com direitos a estudar, a se formar.


E não é agora que fiquei velho que vou ficar caladinho. E não vou dizer que esses idosos só tem necessidades. Eu vou dizer que ele tem direitos… que a gente vai ter de satisfazê-los.


Eu vou ser coerente com meu passado, da mesma forma que um conjunto dessa geração fez a emancipação feminina, a liberação sexual, a luta contra o racismo, os movimentos estudantis dos anos 60, a luta contra homofobia mais recentemente, tudo isso tá aqui (na cabeça) e aqui (no coração).


E agora a gente vai criar uma nova construção social, do que é envelhecer, que eu chamo – da mesma forma que o termo adolescência –  nomino agora gerontolescência. E essa descrição será reconhecida daqui há 20, 30 anos.

 


Cultura do cuidado


É preciso reconhecer que o mais velho, que venha a ter um problema de saúde cognitivo precisa de uma cultura diferente. Não é paternalizar, nem infantilizá-lo. Ele precisa de uma cultura do cuidado: além da prevenção e do tratamento. Uma cultura do cuidado para acompanhar a revolução da longevidade.


Você previu tudo que tinha de ser previsto, você tratou tudo que tinha de ser tratado. Você reabilitou tudo que podia ser reabilitado. .. Mas vai ter muita gente que vai ficar com sequela de um derrame, Alzheimer, uma fratura grave mal resolvida, que vai ficar dependente e vai precisar de cuidado. Espero que isso aconteça cada vez mais tarde. Mas, vai existir. Porque hoje o grupo da população que mais cresce no Brasil são os que tem 85 anos ou mais.


 


Força produtiva


Criar esse espaço para esta força que não está sendo utilizada, que pode ser produtiva, que tem como contribuir. Estou falando até por mim. Estou aqui, ativo, ligado, com minha atividade internacional, com 68 anos, e não vou parar mesmo. Eu sou quase um septuagenário – isso era um palavrão quando eu era criança.


 


Desde que você continue com os 4 capitais essenciais para envelhecer bem:


Capital vital

Investir na tua saúde. Não para ser chato. Mas, se você cuidar do que come, não beber em excesso, não fumar, você vai continuar ativo. Vai continuar sendo potencialmente um recurso para a sociedade.


Capital conhecimento

Trabalhar a sociedade para que dê oportunidades de uma educação continuada ao longo da vida. E é para todo tipo de profissional – ex. o mecânico de automóvel antigamente precisava aprender só mecânica. Hoje precisa aprender mecânica e eletrônica. O diagnóstico do problema nos carros  requer isso hoje. Um dentista que parou de aprender e que não consegue interpretar uma tomografia computadorizada… então, está todo mundo tendo que aprender… Esse é o ciclo do capital do conhecimento.


Capital financeiro

Quem não se preparar e achar que aos 80 vai ter o que precisa, sem programar, vai se dar mal. Tem que planejar ao longo da vida.


Capital social

Faça escolha, invista na alegria, seja leve, não seja ranzinza. O copo está meio cheio. Não, meio vazio… Você está vivo. Isso é a melhor coisa que pode lhe acontecer. Não envelhecer significa morrer cedo. Envelhecer é bom. Morrer cedo é que não presta.


E o grande capital natural que nós temos hoje no mundo inteiro é o recurso que menos está sendo utilizado – não é petróleo, nem energia eólica. É velho. Vamos dar oportunidades a eles contribuírem com a economia. Eu não tenho culpa nenhuma de estar trabalhando. Primeiro, porque não estou competindo por um trabalho com um cara mais novo. Eu não podia fazer o que faço hoje quando tinha 25 anos. E o mais novo não consegue fazer o que faço hoje… E a essa altura eu não estou interessado em carreira. Já fiz a carreira. Estou interessado em deixar pegada, em nutrir, em ser mentor, ajudar, abrir caminho, dar oportunidades.


Hoje passei a manhã na escola de Desenho Industrial conversando com futuros designers na sociedade. E dizendo pra essa meninada – Olha, o futuro é seu! Vocês terão oportunidades de criar um mundo melhor, para vocês usufruírem ao envelhecer. Então tratem de abraçar a causa do envelhecimento e comecem a perceber o que vocês podem fazer para mudar. Porque isso não é só para o médico, o político, é para todo mundo junto.


 É a geratividade – a atividade entre gerações. É você dar em troca.

 


FMB: O Brasil está preparado?


KALACHE


Vejo que o Brasil não tá preparado. O Brasil tem a mentalidade ainda de ‘que eu sou esperto’. Vou me aposentar com 53…


Pensa bem: Aí, você vai viver 40 anos aposentado. Olha a palavra em português… ‘aposento’- vão te colocar no aposento, vão te excluir da sociedade. Não vão te ouvir, você não vai contribuir, não vai se sentir útil.


De pijama, quantos jornais você vai ler por dia, ou quanto tricô fará por dia? Pra que? Vai fazer uma coisa mais útil!


Tudo isso significa que a gente tem que desenvolver políticas para um envelhecimento ativo, que a OMS através do marco político, que eu desenvolvi com a ajuda de muita gente, definiu como um processo ao longo da vida.


Não é pensar o que vou fazer com a minha velhice quando tiver 65 anos. Não. Começa a pensar logo. Prepara. Invista nos 4 capitais.


Então eu vejo a tendência, não é para penalizar ninguém, mas a gente vai precisar se aposentar mais tarde. Mas, isso deve ser preparado e assistido. É você dar oportunidade para quem tem 70 anos fazer uma coisa diferente do que ele fazia aos 63. E você aprender novas técnicas e conhecimentos para você continuar inclusive empolgado, com tesão, senão você vai ficar sem motivação.


 


Momento para refletir e reinventar-se


Por volta dos 45, 50 anos tente fazer um ano sabático. Vai pro Nepal, para Ilhabela, pra onde for.


Pensa, reflita. Sabe por que? Porque você está chegando a primeira metade da sua vida. E ainda tem a outra metade.


Será que você vai querer continuar sendo médico? Eu fiz a decisão de ser médico aos 18, pode ser que com 45 eu queira ser jornalista. Vai em frente. Com energia. Vai se preparar para viver esta outra metade.


Eu tive a sorte de ter me reinventado. Com uma visão específica de envelhecimento, saí, fui fazer medicina social, saúde pública, na Inglaterra, mudei completamente de percepção. Fui pesquisador acadêmico, de repente estava depois na OMS com outro tipo de função, trabalhando com os problemas de nível global, desenvolvendo políticas… e a cada um, dois anos, reinventando, trazendo novas ações. E quando me aposentei – não porque eu quis, era compulsório – foi um presente. Eu já estava na OMS há 13, 14 anos, estava na hora de mudar mesmo.


Estou aposentado há 6 anos, e eu nunca fui tão ativo! E acho que todo mundo que se esforçar e pensar – eu não vou parar – não vão me obrigar a parar, e se me obrigarem a parar com uma aposentadoria compulsória, eu vou me reinventar. Eu vou à luta. Se não for através de emprego formal, por outras formas. Aliás, tem muita gente que nem precisa. Daí vai ser voluntário!


Primeira experiência que tive que mudou a vida foi trabalhar com Dom Helder Câmara. Eu, menino ainda, minado, de Copacabana, de classe média… de repente estava frente a essa oportunidade…


As oportunidades estão sempre presentes. E a oportunidade que é bem sucedida é aquela que você enxerga e agarra.

 


(Alexandre Kalache – akalache@nyam.org)


* Baby Boom (baby boomers) é uma definição genérica para crianças nascidas durante uma explosão populacional – Baby Boom em inglês, ou, em uma tradução livre, Explosão de Bebês. Em geral, a atual definição se refere aos filhos da Segunda Guerra Mundial, já que logo após a guerra houve uma explosão populacional. Nascidos entre 1943 e 1964, hoje são indivíduos que foram jovens durante as décadas de 60 e 70 e acompanharam de perto as mudanças culturais e sociais dessas duas décadas.


do site http://fazmuitobem.com/alexandre-kalache-gerontolescencia/

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Automóvel com isenção de IPI mesmo quando a Pessoa com Deficiência não é o Condutor

CONVÊNIO ICMS CONFAZ Nº 38, DE 30 DE MARÇO DE 2012.

D.O.U.: 09.04.2012

Concede isenção do ICMS nas saídas de veículos destinados a pessoas portadoras de deficiência física, visual, mental ou autista.

O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 145ª reunião ordinária, realizada em Cuiabá, MT, no dia 30 de março de 2012, tendo em vista o disposto na Lei Complementar nº 24, de 7 de janeiro de 1975, resolve celebrar o seguinte

CONVÊNIO

Cláusula primeira Ficam isentas do ICMS as saídas internas e interestaduais de veículo automotor novo quando adquirido por pessoas portadoras de deficiência física, visual, mental severa ou profunda, ou autistas, diretamente ou por intermédio de seu representante legal.

§ 1º O benefício correspondente deverá ser transferido ao adquirente do veículo, mediante redução no seu preço.

§ 2º O benefício previsto nesta cláusula somente se aplica a veículo automotor novo cujo preço de venda ao consumidor sugerido pelo fabricante, incluídos os tributos incidentes, não seja superior a R$ 70.000,00 (setenta mil reais).

§ 3º O benefício previsto nesta cláusula somente se aplica se o adquirente não tiver débitos para com a Fazenda Pública Estadual ou Distrital.

§ 4º o veículo automotor deverá ser adquirido e registrado no Departamento de Trânsito do Estado - DETRAN em nome do deficiente.

§ 5º o representante legal ou o assistente do deficiente responde solidariamente pelo imposto que deixar de ser pago em razão da isenção de que trata este convênio.

Cláusula segunda Para os efeitos deste convênio é considerada pessoa portadora de:

I) deficiência física, aquela que apresenta alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções;

II) deficiência visual, aquela que apresenta acuidade visual igual ou menor que 20/200 (tabela de Snellen) no melhor olho, após a melhor correção, ou campo visual inferior a 20º, ou ocorrência simultânea de ambas as situações;

III) deficiência mental, aquela que apresenta o funcionamento intelectual significativamente inferior à média, com manifestação anterior aos dezoito anos e limitações associadas a duas ou mais áreas de habilidades adaptativas;

IV) autismo aquela que apresenta transtorno autista ou autismo atípico.

§ 1º A comprovação da condição de deficiência será feita de acordo com norma estabelecida pelas UFs, podendo ser suprida pelo laudo apresentado à Secretaria da Receita Federal do Brasil para concessão da isenção de IPI;

§ 2º A condição de pessoa com deficiência mental severa ou profunda, ou autismo será atestada mediante Laudo de Avaliação emitido em conjunto por médico e psicólogo, nos formulários específicos constantes dos Anexos II e III, seguindo os critérios diagnósticos constantes da Portaria Interministerial nº 2, de 21 de novembro de 2003, do Ministro de Estado da Saúde e do Secretário Especial dos Direitos Humanos, ou outra que venha a substituí-la, emitido por prestador de:

a) serviço público de saúde;

b) serviço privado de saúde, contratado ou conveniado, que integre o Sistema Único de Saúde (SUS), conforme Anexo V.

§ 3º Caso a pessoa portadora de deficiência ou o autista, beneficiário da isenção, não seja o condutor do veículo, por qualquer motivo, o veículo deverá ser dirigido por condutor autorizado pelo requerente, conforme identificação constante do Anexo VI.

§ 4º Para fins do § 3º, poderão ser indicados até 3 (três) condutores autorizados, sendo permitida a substituição destes, desde que o beneficiário da isenção, diretamente ou por intermédio de seu representante legal, informe esse fato à autoridade de que trata a cláusula terceira, apresentando, na oportunidade, um novo Anexo VI com a indicação de outro(s) condutor(es) autorizado(s) em substituição àquele (s).

§ 5º Ficam as unidades federadas autorizadas a estabelecer em suas legislações outros graus de deficiência.

Cláusula terceira A isenção de que trata este convênio será previamente reconhecida pelo fisco da unidade federada onde estiver domiciliado o interessado, mediante requerimento instruído com:

I - o laudo previsto nos §§ 1º a 3º da cláusula segunda, conforme o tipo de deficiência;

II - comprovação de disponibilidade financeira ou patrimonial do portador de deficiência ou autista ou de parentes em primeiro grau em linha reta ou em segundo grau em linha colateral ou, ainda, de seu representante legal, suficiente para fazer frente aos gastos com a aquisição e a manutenção do veículo a ser adquirido;

III - cópia autenticada da Carteira Nacional de Habilitação, quando tratar-se de deficiência física, na qual constem as restrições referentes ao condutor e as adaptações necessárias ao veículo;

IV - comprovante de residência;

V - cópia da Carteira Nacional de Habilitação de todos os condutores autorizados de que trata os §§ 4º e 5º, da cláusula segunda, caso seja feita a indicação na forma do § 5º da cláusula;

VI - declaração na forma do Anexo VI, se for o caso;

VII - documento que comprove a representação legal a que se refere o caput da cláusula primeira, se for o caso.

§ 1º Não serão acolhidos para os efeitos deste convênio os laudos previstos no inciso I dessa cláusula que não contiverem detalhadamente todos os requisitos exigidos.

§ 2º Quando o interessado necessitar do veículo com característica específica para obter a Carteira Nacional de Habilitação, poderá adquiri-lo com isenção sem a apresentação da respectiva cópia autenticada.

§ 3º Sem prejuízo do disposto nesta cláusula, a unidade federada poderá editar normas adicionais de controle.

Cláusula quarta A autoridade competente, se deferido o pedido, emitirá autorização para que o interessado adquira o veículo com isenção do ICMS em quatro vias, que terão a seguinte destinação:

I - a primeira via deverá permanecer com o interessado;

II - a segunda via será entregue à concessionária, que deverá remetê-la ao fabricante;

III - a terceira via deverá ser arquivada pela concessionária que efetuou a venda ou intermediou a sua realização;

IV - a quarta via ficará em poder do fisco que reconheceu a isenção.

§ 1º O prazo de validade da autorização será de 180 (cento e oitenta) dias, contado da data da emissão, sem prejuízo da possibilidade de formalização de novo pedido pelo interessado, na hipótese de não ser utilizada dentro desse prazo.

§ 2º Na hipótese de um novo pedido poderão ser aproveitados, a juízo da autoridade competente para a análise do pleito, os documentos já entregues.

§ 3º O adquirente do veículo deverá apresentar à repartição fiscal a que estiver vinculado, nos prazos a seguir relacionados contados da data da aquisição do veículo constante no documento fiscal de venda:

I - até o décimo quinto dia útil, cópia autenticada da nota fiscal que documentou a aquisição do veículo;

II - até 180 (cento e oitenta) dias:

a) cópia autenticada do documento mencionado no § 2º da cláusula terceira;

b) cópia autenticada da nota fiscal referente à colocação do acessório ou da adaptação efetuada pela oficina especializada ou pela concessionária autorizada, caso o veículo não tenha saído de fábrica com as características específicas discriminadas no laudo previsto no § 1º da cláusula segunda.

§ 4º A autorização de que trata o caput poderá ser disponibilizada em meio eletrônico no sítio da Secretaria de Fazenda, Finanças ou Tributação respectiva, mediante fornecimento, ao interessado, de chave de acesso para a obtenção da autorização.

Cláusula quinta O adquirente deverá recolher o imposto, com atualização monetária e acréscimos legais, a contar da data da aquisição constante no documento fiscal de venda, nos termos da legislação vigente e sem prejuízo das sanções penais cabíveis, na hipótese de:

I - transmissão do veículo, a qualquer título, dentro do prazo de 2 (dois) anos da data da aquisição, a pessoa que não faça jus ao mesmo tratamento fiscal;

II - modificação das características do veículo para lhe retirar o caráter de especialmente adaptado;

III - emprego do veículo em finalidade que não seja a que justificou a isenção;

IV - não atender ao disposto no § 3º da cláusula quarta.

Parágrafo único. Não se aplica o disposto no inciso I desta cláusula nas hipóteses de:

I - transmissão para a seguradora nos casos de roubo, furto ou perda total do veículo;

II - transmissão do veículo em virtude do falecimento do beneficiário;

III - alienação fiduciária em garantia.

Cláusula sexta O estabelecimento que efetuar a operação isenta deverá fazer constar no documento fiscal de venda do veículo:

I - o número de inscrição do adquirente no Cadastro de Pessoas Físicas do Ministério da Fazenda - CPF;

II - o valor correspondente ao imposto não recolhido;

III - as declarações de que:

a) a operação é isenta de ICMS nos termos deste convênio;

b) nos primeiros 2 (dois) anos, contados da data da aquisição, o veículo não poderá ser alienado sem autorização do fisco.

Cláusula sétima Ressalvados os casos excepcionais em que ocorra a destruição completa do veículo ou seu desaparecimento, o benefício somente poderá ser utilizado uma única vez, no período previsto no inciso I da cláusula quinta.

Cláusula oitava Nas operações amparadas pelo benefício previsto neste convênio, não será exigido o estorno do crédito fiscal de que trata o art. 21 da Lei Complementar nº 87, de 13 de setembro de 1996.

Cláusula nona A autorização de que trata cláusula quarta será emitida em formulário próprio, constante no Anexo I deste convênio.

Cláusula décima Fica revogado o Convênio ICMS 03/2007, de 19 de janeiro de 2007, a partir de 31 de dezembro 2012, sem prejuízo dos pedidos protocolados em data anterior.

Cláusula décima primeira Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua ratificação nacional, produzindo efeitos de 1º de janeiro de 2013 a 31 de dezembro de 2013.

Presidente do CONFAZ -

Use of the Term “Elderly”

Avers, Dale DPT, PhD; Brown, Marybeth PT, PhD, FAPTA; Chui, Kevin K. PT, DPT, PhD, OCS, GCS; Wong, Rita A. PT, PhD; Lusardi, Michelle PT, DPT, PhD


The terms senile, demented, and aged are unfortunate terms once in common use among physical therapy personnel. While these terms have mostly disappeared, there is still a term in common use that needs to disappear, the term elderly.Terms tend to be convenient but suffer stereotyping through their generalization and lack of specificity. Thus, using the term elderly for a person who is robust and independent as well as for a person who is frail and dependent says little about the individual. Since older individuals become more heterogeneous with age, a specific descriptor such as elderly is inaccurate and misleading. For example, asked to describe an 82-year-old woman would provoke little agreement and much discussion based on personal experiences. Eighty-two-year-old women run marathons and 82-year-old women are bed ridden. Which is the accurate description?The term elderly is ageist. Ageist terms are those terms in which a stereotype is promulgated and treatment is delivered differently on the basis of age.1 Ageism, like racism and sexism, is a form of prejudice or prejudgment that shapes perceptions. Ageist terms tend to diminish older adults, yet ageism is rampant in health care, stereotyping older folks as sick, frail, and physically dependent. Ageism can result in less care, less robust care, and negatively affect outcomes.2None of us would demonstrate ageism by using patronizing speech when interacting with older adults or talking baby-talk. Yet, the use of the term elderly persists. In a survey of major medical journals from 1996 through 2006, all used the term elderly and 3 of the 4 major geriatric journals preferred the term elderly over older adults at a rate of 4:1 over general journals.3The term elderly lacks an equal and opposite term pederly; unlike geriatrics versus pediatrics that describes an area of medicine and health care. The term elderly is often used to describe frail individuals; without applying the well-known and valid criteria of frailty.4 Furthermore, older adults do not like the term elderly applied to themselves, even if they use the term to describe someone else! A European survey asking older individuals their preferred term indicated a preference for older or senior and strongly rejected terms aged, old, and most strongly elderly. In 1995, the United Nations Committee on Economic Social and Cultural Rights of Older Persons rejected the term elderly in preference for the term older persons.5 Additionally, a media guide issued by The International Longevity Center, headed then by Robert Butler, recommended the term older adults over senior and elderly. The report states, “After all, we don't refer to people under 50 as ‘junior citizens'.”6It is time our language use matures. Using terms that are precise, accurate, value-free and that older adults prefer makes a good sense. The term older adult or older person is respectful and should be the standard term in this journal.—Dale Avers, DPT, PhDMarybeth Brown, PT, PhD, FAPTAKevin K. Chui, PT, DPT, PhD, OCS, GCSRita A. Wong, PT, PhDMichelle Lusardi, PT, DPT, PhD


REFERENCES

1. Palmore EB. Ageism: Negative and Positive. 2nd ed. New York, NY: Springer Publishing Company Inc; 1999.
Cited Here...

2. Nemmers TM. The influence of ageism and ageist stereotypes on the elderly. Phys Occup Ther Geriatr. 2004;22(4):11–20.
Cited Here... | PubMed | CrossRef

3. Quinlan N, O'Neill D. “Older” or “elderly”—are medical journals sensitive to the wishes of older people? J Am Geriat Soc. 2008;56(10):1984.
Cited Here...

4. Fried LP, Tangen CM, Walston J, et al. Frailty in older adults: evidence for a phenotype. J Gerontol Med Sci. 2001;56A(3):M146–M156.
Cited Here...

5. United Nations Committee on Economic Social and Cultural Rights. The Economic, Social and Cultural Rights of Older Persons. 1995.
Cited Here...

6. Dahmen NS, Cozma R eds. Media takes on aging. www.aging.org. Published 2009.

site http://journals.lww.com/

Copyright © 2011 the Section on Geriatrics of the American Physical Therapy Association